Relatório Dellors
Educação: Um tesouro a descobrir

Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional
sobre Educação para o século XXI

Jacques Delors
1996

No século XXI as missões da educação fazem com que englobe todos os processos que levem
as pessoas, desde a infância até ao fim da vida, a um conhecimento dinâmico do mundo, dos
outros e de si mesmas, combinando de maneira flexível quatro aprendizagens fundamentais:

·Aprender a conhecer
Adquirir os instrumentos da compreensão

·Aprender a fazer
Para poder agir sobre o meio envolvente

·Aprender a viver juntos
A fim de participar e cooperar com os outros em todas as atividades humanas

·Aprender a ser
Via essencial que integra as três precedentes

Aprender a conhecer

Supõe, antes de tudo, aprender a aprender, exercitando a atenção, a memória e o
pensamento. O processo de descoberta implica duração e aprofundamento da apreensão.

Aprender a fazer

Combina a qualificação técnica e profissional, o comportamento social, a aptidão para o
trabalho em equipe, a capacidade de iniciativa, o gosto pelo risco. Qualidades como a
capacidade de comunicar, de trabalhar com os outros, de gerir e de resolver conflitos,
tornam-se cada vez mais importantes. A aptidão para a relações interpessoais, cultivando
qualidades humanas que as formações tradicionais não transmitem necessariamente e que
correspondem à capacidade de estabelecer relações estáveis e eficazes entre as pessoas.

Aprender a viver juntos

Aprender a viver com os outros desenvolvendo a compreensão do outro e a percepção das
interdependências - realizar projetos comuns e preparar-se para gerir conflitos - no respeito
pelos valores do pluralismo, da compreensão mútua e da paz.

Missão da educação:

·Transmitir conhecimentos sobre a diversidade da espécie humana, e
·Levar a pessoas a tomar consciência das semelhanças e da interdependência entre
todos os seres humanos do planeta.

A educação deve ajudar-nos a descobrir a nós mesmos. Só então poderemos,
verdadeiramente, nos colocar no lugar dos outros e compreender suas reações.

Desenvolver esta atitude de empatia na escola é muito útil para os comportamentos sociais
ao longo de toda a vida. Ensinando, por exemplo, aos jovens a adotar a perspectiva de outros
grupos étnicos ou religiosos pode-se evitar incompreensões geradoras de ódio e violência
entre os adultos. Assim, o ensino da história das religiões ou dos costumes pode servir de
referência útil para futuros comportamentos.

Quando se trabalha em conjunto sobre projetos motivadores e fora do habitual, as diferenças
e até os conflitos interindividuais tendem a reduzir-se, chegando a desaparecer em alguns
casos. Uma nova forma de identificação nasce destes projetos que fazem com que se
ultrapassem as rotinas individuais, que valorizam aquilo que é comum e não as diferenças.

A participação em projetos comuns pode dar origem à aprendizagem de métodos de resolução
de conflitos e constituir uma referência para a vida, enriquecendo as relações humanas.

Aprender a ser

Para o desenvolvimento da personalidade individual e da capacidade de autonomia,
discernimento e responsabilidade pessoal.

Não negligenciar nenhuma das potencialidades de cada indivíduo, tais como memória,
raciocínio, sentido estético, capacidades físicas, aptidão para comunicar-se.

O desenvolvimento tem por objeto a realização completa do ser humano, em toda a sua
riqueza e na complexidade das suas expressões e dos seus compromissos: indivíduo, membro
de uma família e de uma coletividade, cidadão e produtor, inventor de técnicas e criador de
sonhos.

Este desenvolvimento do ser humano, que se desenrola desde o nascimento até a morte, é
um processo dialético que começa pelo conhecimento de si mesmo para se abrir, em seguida,
à relação com o outro. Neste sentido, a educação é antes de tudo uma viagem interior, cujas
etapas correspondem às da maturação contínua da personalidade.

Compete à educação encontrar e assinalar as referências que impeçam as pessoas de ficar
submergidas nas ondas de informações, mais ou menos efêmeras, que invadem os espaços
públicos e privados e as levem a orientar-se para projetos de desenvolvimento individuais e
coletivos. Cabe fornecer os mapas de um mundo complexo e constantemente agitado e, ao
mesmo tempo, a bússola que permita navegar através dele.

Estas quatro vias do saber constituem apenas uma, dado que existem entre elas múltiplos
pontos de contato, de relacionamento e de permuta.