24º Fórum do Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz
 - um programa da UNESCO -

Reflexões sobre o programa de Orientação Alimentar e
Nutricional para a Melhoria da Qualidade de Vida

Dra. Clara Brandão

"Os mais pobres não podem esperar. É necessário uma ação direta contra a
desnutrição. É igualmente necessário que os governos se disponham a tornar essa
ação decisiva"
(Alan Berg)

O documento da Conferência da Organização Mundial da Saúde de Alma-Ata indica que
os cuidados essenciais de saúde (incluindo alimentação e nutrição) baseiam-se em
métodos e tecnologias práticas, cientificamente fundamentadas e socialmente aceitáveis,
colocadas ao alcance universal de indivíduos e famílias da comunidade, mediante sua plena
participação, e a um custo que a comunidade e o País possam manter em cada fase do
seu desenvolvimento (OMS, 1978). A Organização Mundial de Saúde vem constatando
que a deficiência de micronutrientes está atingindo mais de 50% da população mundial com
conseqüências dramáticas para a boa qualidade de vida do indivíduo e da comunidade. Para
reverter esse quadro é possível utilizar recursos locais e acessíveis a todos, independente
de condições sócio-econômicas.
Dessa forma podemos comer de forma saudável gastando menos.

Objetivos do Programa de Orientação Alimentar e Nutricional:
·       Contribuir para interromper o círculo vicioso da fome revertendo, em poucos meses, a
carência nutricional qualitativa (anemia, infecção, desnutrição) e outros distúrbios nutricionais;
·       Diminuir significativamente a morbi-mortalidade materno-infantil;
·       Incentivar a adoção de formas de complementação alimentar com alimentos regionais
localmente disponíveis, de alto valor nutritivo, de baixo custo, preparo rápido e paladar
regionalizado;
·       Promover a sustentabilidade, com ênfase na produção local: trabalho, emprego e geração
de renda, utilizando práticas comunitárias e associativas;
·       Estimular a participação ativa e a organização da comunidade, visando sua autonomia
e a inclusão social;
·       Capacitar os atores sociais e responsáveis pelos programas de políticas públicas
voltadas para alimentação e nutrição;
·       Contribuir para a promoção do desenvolvimento científico e tecnológico em orientação
alimentar e nutricional, priorizando as tecnologias simplificadas;
·       Estimular a adoção de hábitos e estilos de vida saudáveis;
·       Divulgar os resultados obtidos para estimular novas adesões e universalizar essas práticas;
·       Comparação entre Programas Governamentais e experiências com Orientação Alimentar.

Dra. Clara Brandão é médica pediatra e nutróloga do Ministério da Saúde.

ENTRADA FRANCA
20 de maio de 2003 - terça-feira - 18h
Local: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

Av. Dr. Arnaldo, 715 - São Paulo - (Estação Clínicas do Metrô)
Realização: Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz
- um programa da UNESCO -